skip to Main Content

Tendinite Calcárea

  • Ombro

O que é tendinite calcárea?

A tendinite ou tendinopatia calcárea do ombro é uma condição em que pequenos fragmentos de cálcio são depositados no interior dos tendões do manguito rotador, sendo mais comum no tendão supraespinal. É mais frequente em mulheres acima de 40 anos e geralmente acomete apenas um lado, porém em até 10% dos casos pode estar presente em ambos ombros.

Tendinite Calcárea | Dra. Verônica Chang

Por que a tendinite calcárea acontece?

Não se sabe a causa ou o que desencadeia a formação e depósito de cálcio nos tendões, sendo assim a sua etiologia desconhecida. Além disso, a tendinite calcárea não está associada a níveis aumentados de cálcio no sangue, uso de medicações ou tipo de atividade que o paciente exerce.

Quais os seus sintomas?

Na maioria dos casos a tendinite calcárea não apresenta sintomas. Contudo, ela é dividida em três fases e é justamente na fase em que o depósito de cálcio é reabsorvido que o paciente apresenta uma dor geralmente muito intensa e, consequentemente, é quando acaba procurando por atendimento médico.

  • fase de pré-calcificação: nessa fase ocorre uma alteração nas fibras de colágeno que compõem o tendão do manguito rotador e costuma ser assintomática.
  • fase de calcificação: nessa fase ocorre a formação do depósito de cálcio, podendo esse depósito permanecer em repouso por muito tempo (meses ou até mesmo anos) ou ser reabsorvido. Quando o depósito de cálcio é reabsorvido o paciente costuma apresentar uma dor súbita e muito intensa, podendo sentir o ombro mais quente e até mesmo inchado, além de ter muita dificuldade de movimentar o ombro pela dor. Contudo, à medida que o depósito de cálcio vai sendo reabsorvido, a dor do paciente vai também diminuindo.
  • fase pós-calcificação: aos poucos da dor do paciente vai diminuindo e nessa fase o tendão é reconstituído.

Ou seja, apesar de ser uma tendinite extremamente dolorosa, ela é uma condição auto limitada, ou seja, ela tem começo, meio e fim, porém o seu tempo de duração varia de meses a anos.

Como é feito o seu diagnóstico?

O diagnóstico da tendinite calcárea do ombro é feito a partir de uma suspeita clínica e com exames complementares. Dor súbita no ombro de forte intensidade e sem trauma associado é um sinal de uma possível tendinite calcárea e deve-se inicialmente indicar a realização de uma radiografia (RX) do ombro. A partir da fase de calcificação da tendinite calcárea, é possível visualizar o depósito de cálcio na radiografia (RX) do ombro e, a depender das características da imagem, pode-se correlacionar com as fases citadas acima.

Já a ressonância nuclear magnética (RNM) ajuda diferenciar com maior precisão em qual fase da tendinite calcárea que o paciente se encontra, permitindo assim avaliar se a dor referida pelo paciente é de fato justificada `pela presença do depósito de cálcio – vale lembrar essa patologia está presente em até 10% da população, mas não necessariamente na fase de dor/fase de reabsorção. Ou seja, a ressonância nuclear magnética permite afastar diagnósticos diferenciais, como lesão do manguito rotador, capsulite adesiva, entre outros.

Tendinite Calcárea | Dra. Verônica Chang
Figura 1 (esquerda): depósito de cálcio na fase inicial de reabsorção. Figura 2 (direita): depósito de cálcio na fase final de reabsorção.

Como é o tratamento da tendinite calcárea?

O seu tratamento varia de acordo com a dor e com a fase da calcificação, sendo que na maioria das vezes o paciente acaba procurando atendimento médico na fase de maior dor (fase de reabsorção). Nesses casos, é indicado o uso de analgésicos potentes e anti-inflamatórios para confortar o paciente, além de fisioterapia.

Em casos crônicos nos quais o depósito de cálcio não é completamente reabsorvido e o paciente persiste com dor, podem ser indicadas outras terapias como:

  • barbotagem: é uma técnica na qual uma agulha é introduzida no local do depósito de cálcio e então é feita uma lavagem dos cristais. Esse procedimento é feito guiado por ultrassom ou por escopia (RX) no centro cirúrgico sob sedação.
  • terapia por ondas de choque: ondas acústicas são aplicadas no ombro para estimular a reabsorção do depósito de cálcio. Esse é um procedimento não cirúrgico e com resultados promissores.

Quando é indicada a cirurgia para o tratamento da tendinite calcárea?

Casos crônicos de tendinite calcárea que não melhoram com os tratamentos acima mencionados são candidatos ao tratamento cirúrgico, porém são a exceção. A maioria dos casos de tendinite calcárea se resolve sem a necessidade de cirurgia.

Quando indicada, a cirurgia realizada é a artroscopia, um procedimento minimamente invasivo no qual uma câmera e instrumentais específicos são introduzidos no ombro por pequenos orifícios e pelos quais o depósito de cálcio é removido. No entanto, apesar de ser um procedimento minimamente invasivo, dependendo da extensão do depósito do cálcio, pode ser que o tendão seja danificado e uma sutura seja necessária.

O tratamento ideal deve ser individualizado e definido após uma avaliação médica criteriosa.
Consulte um especialista em ombro e cotovelo.

FAQ

1. Fui diagnosticada com tendinite calcárea. É grave?

Excetuando a dor durante a fase de reabsorção, na maioria dos casos a tendinite calcárea é auto limitante e costuma passar sem deixar sequelas e sem necessidade de cirurgia na maioria dos casos. Portanto, apesar de ser extremamente incômoda, não é uma doença grave.

2. Como aliviar a dor da tendinite calcárea?

Para aliviar a dor da tendinite calárea, analgésicos mais potentes devem ser prescritos e para isso recomendo que seja avaliado por um médico para que ele possa prescrevê-los.

3. Quanto tempo leva para curar a tendinite calcárea?

A duração da fase de dor aguda da tendinite calcárea é variável, mas costuma durar algumas poucas semanas. No entanto, a fase crônica pode persistir por meses e, em alguns casos, mais de 1 ano.

4. Tenho tendinite calcárea. Tenho, portanto, um nível aumentado de cálcio no sangue?

Não, a tendinite calcárea não está associada a níveis elevados de cálcio no sangue (hipercalcemia).

Back To Top