skip to Main Content

Ligamento Colateral Lateral – Lesão Ligamentar do Cotovelo

A lesão do ligamento colateral lateral do cotovelo ocorre após queda com a mão espalmada e pode causar instabilidade e dor no lado de fora do cotovelo.

O que é a o ligamento colateral lateral do cotovelo?

Ligamentos são estruturas resistentes, no entanto pouco elásticas, que conectam os ossos entre si e que ajudam na estabilidade articular, ou seja, são estruturas que colaboram para que os ossos se mantenham no seu lugar tanto parados quanto em movimento, servindo também como guias para o movimento articular.

No cotovelo temos diversos ligamentos, mas de uma forma geral, podemos dividí-los em:

  • complexo ligamentar lateral (parte de fora do cotovelo)
  • completo ligamental medial (parte de dentro do cotovelo)

Apesar de tanto na parte de fora quanto na parte de dentro do cotovelo possuirmos esses complexos ligamentares, a forma como cada um pode ser lesionado, os sintomas que essa lesão pode ou não gerar, assim como o tratamento de cada uma dessas estruturas são diferentes entre si. Nesse texto falaremos sobre o complexo ligamentar lateral.

Ligamento Colateral Lateral | Dra. Verônica Chang
Complexo Ligamentar Lateral do Cotovelo

O complexo ligamentar lateral do cotovelo é composto por:

  • ligamento colateral lateral radial
  • ligamento colateral lateral ulnar
  • ligamento alunar

A origem do ligamento colateral lateral ulnar e radial é a mesma e fica localizada em uma proeminência óssea do úmero que se chama epicôndilo lateral. No entanto, a inserção de cada uma dessas bandas é diferente. Uma se insere no rádio (banda radial) e a outra na ulna (banda ulnar).

Além disso, temos também o ligamento anular que envolve a cabeça do rádio, que é uma estrutura circular do osso do rádio que ajuda no movimento de pronação (virar a palma da mão para baixo) e supinação (virar a palma da mão para cima).

Como ocorre a lesão do ligamento colateral lateral do cotovelo?

O mecanismo de trauma mais comum da lesão do ligamento colateral lateral do cotovelo é uma queda sobre o membro com a mão espalmada, podendo ou não ocorrer fraturas do cotovelo concomitantes, principalmente da cabeça do rádio e do processo coronóide da ulna que, se associados à luxação do cotovelo (quando os ossos do cotovelo saem do lugar e se desencaixam), essa lesão é chamada de tríade terrível do cotovelo.

Quando ocorre a lesão traumática do ligamento colateral lateral do cotovelo, geralmente ocorre uma desinserção da sua origem, ou seja, ela se desgruda da sua parte umeral.

Quais os seus sintomas?

Na fase mais aguda da lesão a queixa é de dor na parte de fora do cotovelo podendo ocorrer um inchaço local. No entanto, como muitas vezes a lesão é decorrente da luxação do cotovelo com possíveis fraturas associadas, inicialmente é difícil de se localizar a dor e o inchaço acaba envolvendo toda a articulação.

Já quando a lesão é crônica, pode ocorrer uma cicatrização local com formação de um tecido fibroso e muitos paciente acabam ficando assintomáticos. Contudo, dependendo do grau da lesão e das possíveis fraturas associadas, a dor na parte de fora do cotovelo pode persistir assim como sensação de travamento do cotovelo, estalidos e, em alguns casos sinais, de instabilidade (cotovelo “falseia” ou “sai do lugar”).

Como é feito o seu diagnóstico?

O diagnóstico da lesão do ligamento colateral lateral do cotovelo é feito a partir de uma boa anamnese (história clínica do paciente) e de um exame físico específico do cotovelo que, por sua vez, dependendo se o paciente se encontra na fase aguda da lesão ele acaba sendo comprometido pela dor e pelo inchaço. Os testes ligamentares do cotovelo costumam ser melhor realizados na fase crônica da lesão, onde o inchaço é praticamente imperceptível e a dor do paciente á tolerável.

Além disso, exames de imagem costumam ser feitos para o diagnóstico preciso da lesão do ligamento colateral lateral do cotovelo. Entre eles, a radiografia (RX), a Ressonância Nuclear Magnética (RNM) e, em alguns casos, a Tomografia Computadorizada (TC):

  • RX: é feito para avaliar a congruência articular (se todos os ossos estão bem posicionados e encaixados) e para identificar possíveis fraturas. Porém, algumas fraturas não são visíveis nas radiografias e em alguns casos é necessário a complementação da investigação com uma tomografia computadorizada;
  • TC: é feito nos casos em que há suspeita de lesão óssea, mas que não ficaram evidente nas radiografias ou em casos em que há alteração óssea no RX mas que é necessário um entendimento melhor das estruturas pensando em um planejamento operatório;
  • RNM: é o melhor exame para avaliar os ligamentos. Porém, na fase aguda do trauma, o processo inflamatório é muito intenso e as lesões podem ficar difíceis de serem visualizadas. Por outro lado, existem fraturas que não aparecem nem nas radiografias ou na tomografia computadorizada, chamadas de fraturas ocultas, e que são identificadas na ressonância nuclear magnética.
Ligamento Colateral Lateral | Dra. Verônica Chang
Figura 1: RNM de cotovelo direito com ligamento colateral lateral íntegro
Figura 2: RNM de cotovelo direito com ligamento colateral lateral lesionado na sua porção umeral

Como é o tratamento das lesões do ligamento colateral lateral do cotovelo?

O tratamento das lesões ligamentares do cotovelo depende do tratamento indicado para as possíveis lesões associadas, como na tríade terrível do cotovelo (luxação do cotovelo com fratura da cabeça do rádio e do processo coronóide da ulna) do grau de instabilidades tanto na fase aguda quanto na fase crônica e da dor remanescente.

Nas lesões agudas, caso não seja indicado nenhum procedimento cirúrgico das possíveis lesões associadas e o cotovelo permanecer estável, o tratamento conservador é indicado e consiste em usar medicamentos para o controle da dor e do inchaço, podendo também ser indicado o uso de uma tipóia por um curto período apenas para o controle da dor.

Dependendo do grau de lesão do ligamento, a fisioterapia se faz necessária não apenas para ajudar no controle da dor, mas principalmente para prevenir que o cotovelo fique com algum grau de rigidez, ou seja, que ele fique com alguma restrição no seu movimento.

E quando houver melhora do quadro de dor, o fortalecimento dos músculos ao redor do cotovelo é essencial pois eles também ajudam na estabilidade dessa articulação. Em alguns casos, o uso de imobilizadores articuladas pode ajudar na estabilidade do cotovelo permitindo que o paciente movimente o cotovelo sem aumentar o estresse sobre o ligamento danificado.

Já nos casos em que na fase aguda o cotovelo esteja muito instável ou que esteja indicado algum tratamento cirúrgico das possíveis lesões associadas como em alguns casos da tríade terrível, geralmente é feito o reparo ligamentar do ligamento colateral lateral.

Nos casos crônicos em que o paciente se queixa de dor, estalido ou até mesmo “falseios” (instabilidade), o tratamento inicial é feito com fisioterapia com o objetivo de fortalecer os músculos ao redor do cotovelo que colaboram com a estabilidade articular. Se mesmo assim o paciente se mantiver sintomático, pode ser indicado o tratamento cirúrgico com reconstrução ligamentar.

Vale ressaltar, por sua vez, que a maioria dos casos de lesão do complexo ligamentar colateral lateral é de tratamento conservador, ou seja, não cirúrgico.

Como é a cirurgia para o tratamento das lesões do ligamento colateral lateral do cotovelo?

A cirurgia para o tratamento das lesões do complexo ligamentar lateral do cotovelo depende se a lesão é aguda ou crônica. Em ambos os casos é feito um corte na parte de fora do cotovelo de cerca de 5cm, porém:

  • na fase aguda é feito o REPARO do ligamento, ou seja, a parte danificada do ligamento é colocada de volta no úmero, pois na maioria das lesões ocorre uma avulsão do ligamento nessa região. Esse reparo pode ser feito através diversas técnicas, como pontos transósseos (através do osso) ou com uso de âncoras;
  • na fase crônica, o tecido cicatricial é de má qualidade e, portanto, geralmente é utilizado um enxerto de tendão (do próprio paciente ou de banco de tecido) para a RECONSTRUÇÃO do ligamento. O enxerto é fixado na origem e inserção anatômica da banda ulnar do ligamento que é a sua porção principal;

Como é a reabilitação do tratamento cirúrgico das lesões do ligamento colateral lateral do cotovelo?

De forma geral os ligamentos demoram cerca de 6 a 8 semanas para cicatrizarem. Portanto, é fundamental que nesse período o reparo ou a reconstrução do ligamento colateral lateral seja protegida. Contudo, se mantivermos o cotovelo imobilizado e sem movimento por esse período, o cotovelo acaba ficando rígido, ou seja, endurecido.

Portanto, dependendo do caso, poder ser colocado um fixador externo articulado no ato cirúrgico (nos casos mais extremos) ou pode ser feito o uso de um imobilizador articulado removível (brace de cotovelo). Em ambos os casos o seu uso é feito por cerca de 6 semanas e nesse período é feito o ganho de arco de movimento (movimentação do cotovelo) tanto para a sua flexão e extensão (dobrar/esticar) quanto para a sua pronação e supinação (palma da mão para baixo/para cima).

Após essas 6 semanas, o foco da reabilitação é no ganho de força, pois novamente, os músculos ao redor do cotovelo ajudam na estabilidade dessa articulação. O retorno para a academia se dá aos 3 meses de forma progressiva, mas em casos mais complexos, o retorno ao esporte competitivo pode ocorrer apenas com 6 meses de cirurgia.

Brace/imobilizador articulado para o cotovelo | Dra. Verônica Chang
Figura 3: brace/imobilizador articulado para o cotovelo

O tratamento ideal deve ser individualizado e definido após uma avaliação médica criteriosa.
Consulte um especialista em ombro e cotovelo.

Referências:

Reichel, Lee M., et al. “Elbow lateral collateral ligament injuries.” The Journal of hand surgery 38.1 (2013): 184-201.

Ciccotti, Michael C., and Michael G. Ciccotti. “Ulnar collateral ligament evaluation and diagnostics.” Clinics in Sports Medicine 39.3 (2020): 503-522.

BELLATO, Enrico et al. Role of the lateral collateral ligament in posteromedial rotatory instability of the elbow. Journal of shoulder and elbow surgery, v. 26, n. 9, p. 1636-1643, 2017.

BADHRINARAYANAN, Shreya et al. Indications, Outcomes, and Complications of Lateral Ulnar Collateral Ligament Reconstruction of the Elbow for Chronic Posterolateral Rotatory Instability: A Systematic Review. The American Journal of Sports Medicine, v. 49, n. 3, p. 830-837, 2021.

MANOCHA, Ranita HK et al. Optimizing the rehabilitation of elbow lateral collateral ligament injuries: a biomechanical study. Journal of shoulder and elbow surgery, v. 26, n. 4, p. 596-603, 2017.

LEE, Sung H. et al. The lateral ligament is injured preferentially in posterolateral dislocation of the elbow joint: Correlation analysis with MRI between ligament injuries and associated fractures. The bone & joint journal, v. 102, n. 2, p. 227-231, 2020.

FAQ

1. O que significa o estiramento do ligamento colateral lateral do cotovelo?

O estiramento ligamentar é uma lesão incompleta/parcial do ligamento.

2. Como saber se machuquei o ligamento colateral lateral do cotovelo?

As lesões desse ligamento ocorrem na sua grande maioria após queda sobre a mão espalmada e geralmente evolui com dor e inchaço na parte de fora do cotovelo. Caso você tenha dificuldade em movimentar o cotovelo e a dor e inchaço não passem, recomendo que busque atendimento ortopédico especializado.

3. Rompi o meu ligamento colateral lateral do cotovelo. É cirúrgico?

A maioria das lesões ligamentares do cotovelo não requerem tratamento cirúrgico. No entanto, uma boa reabilitação é fundamental para bons resultados.

4. Tenho dor na parte de fora do cotovelo. Será que rompi o ligamento colateral lateral?

A principal causa de dor no lado de fora do cotovelo é a epicondilite lateral. Caso você não tenha sofrido nenhum trauma, essa deve ser a causa mais provável da sua dor e não uma lesão ligamentar.

Back To Top